E NASCE MAIS UMA LENDA: CABUTÁ

Cabutá era filho de um índio pescador que veio de Manaus. O velho morreu de câncer de próstata e o deixou por aqui sozinho, em meio à perversidade linda que é o Rio de Janeiro. No canal Marapendi o jovem tirava seu sustento, mas os peixes há muito não apareciam. Decidiu, em um fim de tarde fresco, ir às margens para catar caranguejos e afins, e adoecido de fome e com os ossos fracos, tombou nas águas escuras e poluídas.

Logo foi cercado por um vasto contigente de GIGOGAS que foram não só se nutrindo dos podres nutrientes da água, e sim também do sangue e tecido marcado de Cabutá. A dor era imensa e o índio gritava e gritava, mas os jovens que passavam em seus carros importados logo acima, em uma ponte, não o ouviam e aceleravam em direção às luzes da Barra da Tijuca.

cabuta4

Cabutá não escolheu, ele nasceu

Ali abaixo, no escuro torpe e fétido, a natureza se transformava, dando nova vida ao corpo que já não era mais humano. A ira provida por um cérebro contaminado pela marginalização e pelos piores excrementos industriais e animais, movia uma massa esverdeada e grotesca para fora do lago. A fome é enorme e esta nova criatura, ainda não catalogada por ocultistas e biólogos, precisa muito se alimentar. A qualquer custo. E o alimento, que poderá ser a carne humana tenra e suculenta, com certeza será mais prazeroso, pois um sentimento íntimo de vingança surgirá.

Leandro Barfly

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s