Na margem do rio

Vocêu não estamos entendendo

Andam respirando ácidos vapores

Esta fumaça leitosa que d´água sobe

Névoa maligna, eflúvios em sua fronte

Será a razão de tanta mágoa?

Envenena as mentes, penetráveis insolentes

É Tiririca ou Oiticica? Toda merda é titica?

Meu sonho de consumo é consumir um sonho insano

Sensações intermitentes, calafrios desumanos

Consumamos! Consumamos! Nessas tetas nós mamamos

Somos só trapos e panos. Estes dias estressantes

hão de nos tornar mutantes

respirando cigarrilhas, extorquindo camarilhas

vestindo-se com o couro do jacaré

extinto – seremos a mancha da tinta

o osso velho d ´um  arqueologista

estranhamento – esse estranho momento

é mais que poesia, foi como eu vi esse eterno dia

obra de Barbazul

Anúncios

2 comentários em “Na margem do rio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s