fast-poesia

 

na histeria do incompreendido 
os gritos se fazem escutar 
lancinantes lamentos 
um gigante descontente 

aponta para o alto 
e diz – eu sou mais eu 
ignoro o outro 
não existe mais ninguém 

mea-culpa 
sua rua é tosca e rota 
a rota é ruminante 
vai e volta num intervalo constante 

10 razões para o suícidio

Torcida dos Homens do Pântano

1- Não completude dos planos secretos de sua mente

2- Decepções com o estado ecológico do multiverso

3- Descoberta das múltiplas dimensões alternativas

4- Ambivalência dos discursos terrenos

5- Superioridade da ideologia religiosa ignóbil e fraca

6- Inverdades que se multiplicam

7- A felicidade como obrigação

8- Acreditar que na outra vida existirão outras drogas mais poderosas

9- Desconhecimento total, pasmaceira terrível, o plano das idéias se agiganta

10- Tédio

Postado por Indignado Depressivo

Montanha longíqua do sentido total

perniciosos agentes que julgam tudo saber
apenas lambem de leve a única verdade
o sentido é a utopia final deste universo
a lógica é a míriade de opções que avolumam-se

no meu canto quente apenas destrato a realidade
fujo da ilógica porém profunda vaidade
inspiro-me no nexo causal da existência plena
vislumbro um fracasso retumbante travestido de vida

aí pergunto: Existe tanto espaço assim para a angústia?
qual será o tamanho do rombo deixado pela explosão
tamanho sentimento golfa a probabilidade do acerto completo
ou pequenos traços de entusiasmo amam o poder que emana do vigor

prestígio é o topo da montanha inalcançável
escarpas impossíveis de galgar surgem a qualquer momento
memorizo, mesmerizo, entronizo o entorno da subida
na sequência peço guarida, sinto minha ferida ardida

o machucado putrefacto verte pus por todo lado
lastra o lacre rompido do imutável
define o caminho que subirá aos céus
do alto, do meio do caminho, será que saberei subir sozinho?

somente o escalador constante pode perceber a dúvida ruminante
somente a dor lancinante pode entender a cegueira total
somente a visão lúcida transferirá o sentido das mentes para os olhares
e quando finalmente olharmos, veremos que nada ainda faz sentido

Postado por José Jacaré

Desligando as conexões

Van Gosling pediu para que eu viesse aqui para contar uma coisa para vocês. A morte é fútil, nada mais é do que apenas um traço. A própria vida inexiste, apenas no pensamento dos livros não lidos, das páginas não escritas. De cada capítulo de sua vida, guardas um mágoa diferente. Na floresta das ilusões temos a impressão de que caem folhas que emanam um maná poderoso.

Um líquido divino que daria a juventude tenra, terna e eterna para cada um de nós. Será que isso realmente acontece. Alimente-se de sementes, alivie-se frente a frente com a fronte seca. Seque apenas o fluxo de consciência que escorre da sua mente. Meta a cara no pequeno vestíbulo que dá passagem interdimensional. Você conhece esse lugar? Já esteve lá? Como conhecer o momento delineador do seu futuro. Escuro…

Operação Matemática

angústia + conexão lenta + vários browsers = loucura

Será que se fosse assim?

Homem-Ampulheta
Não vê o tempo
Passar
Vê o mundo
Deslocar-se
Se o se jogasse
Seria outro jogo!

O jogo da vida

No jogo da vida

a bola muitas vezes é quadrada

Se a sua barriga

está criando vida própria

Deves saber a hora de parar

O alcool, as drogas, a vida desgregrada

Tudo isso o corpo castiga.

O corpo é maior que Deus.

Você é a força-motriz.

És sua própria meretriz

Arranque este mal pela raiz.

A ilusão controla toda mente fraca.

Sangue de barata, limpe suas patas antes de pisar

o solo sagrado do ser humano.

O planeta terra avisa: Deus nenhum está superior a mim.

Sorte na vida


sabemos que o sabiá é sábio

ele sabe que o sabor da vida
é vaga
é vazia
efêmera
vaga perdida que vai e volta
lambendo areia

leva ocorpo do sabiá

lava a alma que vem de lá

voa longe o descontrole

vida que esvai-sem em letras, copializa a mente locuplantctanosa

– Um escritor que mora numa casa isolada num campo, num espaço bucólico, no topo da montanha, perto de uma mata/floresta, rodeada de verde. Um dia – constroem uma rodovia/ferrovia/maglev na porta da e toda a vida dele muda. várias versões em várias alternativas do tempo. São as dimensionais dimensões, imensas mesas onde mestres misturam o certo; o errado; num grande carteado.

– um homem sempre passa por uma esquina e vê uma pilha de livros/revistas esquecidos. Um dia resolve pegar um, é a senha para um processo kafkiano, de opressão pelo sistema. um roubo-problema. um esquema facilitador da inversão da versão moral totalizante da satisfação errada.

Como se a própria grama da gramática come-come-começasse a crescer para trás, de cabeça para baixo.

Abrindo os portões do futuro

Temos visto coisas estranhíssimas nos últimos dias. Vocês se lá estivessem não acreditaram. Todos que aqui visitam tem noção que na verdade não estamos aqui, não é mesmo? Pois é. Nesta nossa saga infinita para conseguirmos sair do pântano psico-poluidor que nos aprisiona, volta e meia conseguimos através de uma nesga enxergar traços da ignóbil realidade.

Mas aí perguntamos a nós mesmos. Será melhor viver assim na ilusão? Não sabemos. Recentemente recebemos a visita de Dundes, Fadas e Gnomos. Pequenos seres que convivem conosco normalmente aqui no limbo interdimensional que habitamos. Cansados de tanta mazela vemos através do espelho mágico que o futuro se imuscui com o passado e nada nunca muda.

Tentamos mudar nosso caminho mas prosseguimos na caminhada. Estamos constantemente tentando sair daqui para dar os recados que nos foram passados pelos nobres pequenos seres mágicos. A Mãe-Natureza que vive aqui no nosso colo, numa espécie de altar pára-religioso, misto de estátua e ser etéreo, ela cansa de nos deixar mensagens cifradas sobre como devemos proceder no caso de conseguirmos alcançar algum tipo de passagem.

Diz ela: Rapazes, caso vocês consigam abrir os famigerados portões, seja eles os de Zion ou outros quaisquer, devem estar preparados para a ignorância. O ser humano lá fora acha que é o dono do universo e o senhor do planeta. Mas ele é frágil e sabe muito pouco meus filhos. Por isso mando meus pequenos servos lhes avisar. O futuro não existirá a não ser que nós queiramos.



É pela pele

É pela pele

que afloram meus defeitos

pus quer sair pela pele

perebas, pústulas, caspa

defeitos intermitentes

pare

palavras novas

trazem dores antigas

palavras livres

loucas vidas

vivas

veja

as

aqui

numa piscina de fracassomaníacos nado contente

fixados em distorcer, estão distorcendo

o tempo

desafiando em ritmo lento

as amarraduras do status-quo

doenças aproximam-se

instala o alcoolismo, a compulsividade,

a loquacidade frenética do nada dizer

a velhice contumaz

o destino do jovem sucesso alheio, a dúvida e a culpa

o nada, os objetivos e tudo o que nos rodeia

quantas palavras dissociadas de significado

fermentam como cerveja, carburam, transformam-se

compostagem cerebral

saindo fora do normal

é assim o genial?

quantos mais acontece, menos eu sei

vou (vamos) desdeusizando tudo quanto podemos

quem saca a mensagem já volta correndo

pelo caminho do mundo ao-contrário

dos tijolos roxos que voam

saltitamos pedra a pedra

em direção a uma nuvem gasosa

um buraco transdimensional etéreo

la é o fim

que bom que chegou a hora de morrer