Pai nosso poético

crazy peruAmigavelmente discordando

pois sou eu mesmo um deus malandro

Dedico-me a dedilhar meu violino

componho árias melodiosas

não existe algo desse tino

são apenas mentiras graciosas

No mistério da vida

É mister saber que somos nada

Cada pedaço, uma parada

cada cabeça desmiolada

Folhas soltas ao vento

voltam violentas

doenças dentro

de uma rara cepa

vírus verão que

esta vertente vencerá

vamos nessa

rumo a morte

sem pressa

troco dois dedos de prosa

com os deuses e as deusas

meto medo nas medusas

largo o dedo nas confusas

saio correndo

mas não tenho medo

assassino sorrindo

vaticino um horrendo

fim

pra toda religião chinfrim

Gosto de tal ânsia

como um belo vômito

regurgita ideias toscas

empurra-as abismo abaixo

vamos cavar uma bela cova

para enterrar toda velha nova

imbecilidade atroz

comungo de seu pensamento

ser anta simplesmente

não adianta